SABIA QUE...?

Maio 01 2005
rb.jpg





[Error: Irreparable invalid markup ('<h3 [...] <p>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<img alt="rb.jpg" src="http://fotoseimagens.blogs.sapo.pt/arquivo/rb.jpg" width="469" height="318" border="0" /><p>



<H3 align="center"<p>
No mais fundo de ti,<br>
eu sei que traí, mãe!<p>
*<p>
Tudo porque já não sou<br>
o retrato adormecido<br>
no fundo dos teus olhos!<p>
*<p>
Tudo porque tu ignoras<br>
que há leitos onde o frio não se demora<br>
e noites rumorosas de águas matinais!<p>
*<p>
Por isso, às vezes, as palavras que te digo<br>
são duras, mãe,<br>
e o nosso amor é infeliz.<p>
*<p>
Tudo porque perdi as rosas brancas<br>
que apertava junto ao coração<br>
no retrato da moldura!<p>
*<p>
Se soubesses como ainda amo as rosas,<br>
talvez não enchesses as horas de pesadelos...<p>
*<p>
Mas tu esqueceste muita coisa!<br>
Esqueceste que as minhas pernas cresceram,<br>
que todo o meu corpo cresceu,<br>
e até o meu coração<br>
ficou enorme, mãe!<p>
*<p>
Olha - queres ouvir-me? -,<br>
às vezes ainda sou o menino<br>
que adormeceu nos teus olhos;<p>
*<p>
ainda aperto contra o coração<br>
rosas tão brancas<br>
como as que tens na moldura;<p>
*<p>
ainda oiço a tua voz:<br>
"Era uma vez uma princesa<br>
no meio de um laranjal..."<p>
*<p>
Mas - tu sabes! - a noite é enorme<br>
e todo o meu corpo cresceu...<p>
*<p>
Eu saí da moldura,<br>
dei às aves os meus olhos a beber.<p>
*<p>
Não me esqueci de nada, mãe.<br>
Guardo a tua voz dentro de mim.<br>
E deixo-te as rosas...<p>
*<p>
Boa noite. Eu vou com as aves!<p>
*<p>


(Eugénio de Andrade, Antologia Breve)</H>
publicado por Lumife às 23:18

Fizeste a escolha de um texto excelente.
Parabéns. Abraço e boa semana.NILSON
(http://nimbypolis.blogspot.com)
(mailto:nimby33@hotmail.com)
Anónimo a 2 de Maio de 2005 às 12:58

As palavras do Eugénio têm a sua genialidade...Carlos Tavares
(http://o-microbio.blogspot.com)
(mailto:carlos.roquegest@mail.telepac.pt)
Anónimo a 2 de Maio de 2005 às 10:49

Olá! Realmente este periodo em que o filho dá o grito de liberdade, e como diz o poema, vai para a noite que é longa, o coração de uma mãe deve sofrer, não por ter egoismo, isso pode até ter, mais principalmente por amar a sua cria.
Durante 9 meses esta pessoa que cresceu, que deixou a rosa ficou dentro de ti e por muitos anos esteve sob seu olhar. E derrepente ela voa...voa para o mundo em busca da felicidade.
No entanto, a mãe sofre, porém fica o consolo que o poema deixa com outras palavras, que é:
UM BOM FILHO SEMPRE VOLTA A CASA. Pois sabe que nesta casa irá encontrar o VERDADEIRO AMOR.. O AMOR PURO DE UMA MÃE!

Se possivel, depois entre em meu blog e deixe um comentário. Sucesso.
www.ativoobjetivo.blog.aol.com.brDaniel
(http://www.ativoobjetivo.blog.aol.com.br)
(mailto:albrechtlara@aol.com)
Anónimo a 2 de Maio de 2005 às 04:06

mais sobre mim
Maio 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
17
18
19
21

22
27
28

29
30
31


pesquisar
 
eXTReMe Tracker
blogs SAPO