SABIA QUE...?

Janeiro 06 2005
cart.bmp



.




Campanha: ex-primeiro-ministro recusa uso da sua foto



Cavaco Silva veta Santana Lopes






Cavaco Silva voltou ontem a dar um sinal de afastamento em relação a Santana Lopes ao ‘chumbar’ uma campanha de cartazes do PSD onde apareciam as fotografias dos cinco líderes do PSD que desempenharam o cargo de primeiro-ministro.








Depois de ter ignorado o desafio de Santana Lopes para se candidatar à Presidência da República nas próximas eleições presidenciais, feito no congresso dos sociais-democratas em Novembro passado, Cavaco recusou o pedido do PSD para utilizar a sua fotografia em ‘outdoors’ de pré-campanha eleitoral ao lado das fotografias de Sá Carneiro, Pinto Balsemão, Durão Barroso e Santana Lopes, todos os que do partido foram primeiros-ministros de Portugal.



O antigo chefe do Governo argumenta, em carta enviada ao secretário-geral do PSD, que, estando fora da vida política partidária, a utilização da sua fotografia em ‘outdoors’ iria interferir com a sua carreira académica. Cavaco Silva é professor na Universidade Católica.



Santana Lopes desvalorizou a atitude de Cavaco Silva, mas parece claro que a tomada de posição do antigo primeiro-ministro, referência política obrigatória na história dos sociais-democratas, apanhou o PSD de surpresa, tanto mais que, segundo uma fonte social-democrata, “apenas Cavaco Silva recusou” ajudar o partido numa altura em que se avizinha uma campanha eleitoral difícil. O primeiro-ministro demissionário já disse, a propósito desta recusa, que “nós, de algumas franquezas fazemos forças, por isso, apesar de tudo o que vai acontecendo, vamos continuar e chegar à meta, mesmo saltando muitos obstáculos”.



Um outro responsável do PSD deixou claro que, “apesar de não sermos obrigados a pedir autorização, porque se tratam de figuras que são património do partido, fizemo-lo. A família de Sá Carneiro, Durão Barroso, assim como Pinto Balsemão, autorizaram”. E, concluiu: “nós não apagamos a história do partido”. A recusa de Cavaco Silva obriga o PSD a suspender a colocação dos ‘outdoors’ e a proceder à sua alteração. Sendo material publicitário caro, aqueles cartazes gigantes poderão ter custado bem caro à direcção social-democrata. Por exemplo, 40 mil exemplares poderão custar cerca de 30 mil euros. Ontem à noite, o PSD aprovou as listas de candidatos a deputados nas próximas eleições.

.


(In Correio da Manhã)


publicado por Lumife às 00:52

Janeiro 06 2005
Esta campanha política para as Legislativas vai ser a pior de todas...





"Ex-dirigente do FC Porto acusa Santana de traição



Legislativas: Pôncio Monteiro afastado das listas do PSD




Pôncio Monteiro anunciou hoje que o PSD o retirou da lista de candidatos pelo Porto, de que era o "número dois", e acusou Santana Lopes de traição e de ter cedido às pressões do presidente da Câmara do Porto, Rui Rio.



O líder do PSD "diz que tem as costas cheias de cicatrizes de facadas mas não se coibiu me dar a mim uma facada nas costas", acusou o economista, numa declaração aos jornalistas, ao início da noite. "Santana Lopes ligou-me cinco vezes num dia a convidar-me para integrar a lista e nem um telefonema me fez para me informar que eu saía, depois de ter sido pressionado por Rui Rio", acrescentou.



Horas antes, o ex-dirigente do FC Porto tinha afirmado, também em declarações à imprensa, que o líder do PSD não o tinha "desconvidado", apesar de ter admitido que tinha sido convidado para integrar a lista pelo círculo de Vila Real.



Na altura, Pôncio Monteiro — que garantia estar a falar "enquanto segundo nome da lista do Porto" — admitiu a existência de pressões para o seu afastamento, mas remeteu para mais tarde novas declarações, afirmando que Santana Lopes lhe pedira para esperar mais algum tempo para contar "todos os contornos" da história.



Contudo, quando os jornalistas se encontravam já em sua casa para uma nova declaração, Pôncio Monteiro recebeu um telefonema de Miguel Relvas, secretário-geral do PSD, em que este o informava da sua exclusão das listas sociais-democratas, por decisão do Conselho Nacional.



"Santana Lopes a mim não me engana, empurrando agora a responsabilidade pela minha saída para o Conselho Nacional", afirmou, antes de acrescentar: "Todos sabiam que era Rui Rio quem estava por trás, sem dar a cara, a pressionar para a minha saída".



Para o advogado, considerado muito próximo do presidente do FC Porto, com quem Rui Rio tem mantido relações conflituosas, este processo demonstra que Santana Lopes "nunca mais terá possibilidade de liderar o partido ou um Governo". "Quem não tem força para dominar o partido, também não tem capacidade para liderar o Governo", sublinhou.



A polémica sobre a retirada do nome de Pôncio Monteiro surgiu depois deste ter afirmado ontem, em declarações à Antena 1, que não gostaria de fazer campanha ao lado de Rui Rio.



Contudo, Pôncio Monteiro diz não perceber as críticas de que é alvo. "Durão Barroso pediu-me em 2002 para ajudar na sua campanha, o que eu fiz com bom grado, mas já então recusei estar ao lado de Rio. Além de que Marques Mendes disse de Santana cinco mil vezes mais do que eu sobre Rio e é cabeça-de-lista por Aveiro", acrescentou."



.


(in Público)

publicado por Lumife às 00:21

mais sobre mim
Janeiro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
14

16
17
20
21
22

23
28
29

30
31


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO