SABIA QUE...?

Janeiro 18 2005
sem ki.jpg



.


O RETRATO oficial do primeiro-ministro, Pedro Santana Lopes, foi enviado no início de Janeiro a todos os postos diplomáticos portugueses, para ser afixado nas paredes das embaixadas e consulados. O facto de Santana ser um primeiro-ministro em gestão há mais de um mês não inibiu o seu gabinete de remeter para o Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) 200 tubos de cartão contendo cada um deles uma fotografia do chefe de Governo demissionário.

[Error: Irreparable invalid markup ('<p<>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<img alt="sem ki.jpg" src="http://fotoseimagens.blogs.sapo.pt/arquivo/sem ki.jpg" width="102" height="70" border="0" /><p>

.<p>
O RETRATO oficial do primeiro-ministro, Pedro Santana Lopes, foi enviado no início de Janeiro a todos os postos diplomáticos portugueses, para ser afixado nas paredes das embaixadas e consulados. O facto de Santana ser um primeiro-ministro em gestão há mais de um mês não inibiu o seu gabinete de remeter para o Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) 200 tubos de cartão contendo cada um deles uma fotografia do chefe de Governo demissionário.<p<
.<p>
In Expresso)
publicado por Lumife às 22:23

Janeiro 15 2005
cartaz.jpg



.


Vários têm sido os cartazes que apareceram nos blogs mas este que vi no
"Alerta Amarelo" ´suplanta de longe todos os outros...

publicado por Lumife às 22:59

Janeiro 15 2005
mg.jpg



.



Pentágono considerou desenvolver bomba sexual



O Ministério da Defesa norte-americano (Pentágono) considerou desenvolver um conjunto de armas químicas não letais para abalar a moral e a disciplina das tropas inimigas, tais como uma bomba sexual, indicam documentos secretos agora divulgados.

[Error: Irreparable invalid markup ('<p [...] «desagradável>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<img alt="mg.jpg" src="http://fotoseimagens.blogs.sapo.pt/arquivo/mg.jpg" width="235" height="150" border="0" /><p>

.<p>

Pentágono considerou desenvolver bomba sexual<p>

O Ministério da Defesa norte-americano (Pentágono) considerou desenvolver um conjunto de armas químicas não letais para abalar a moral e a disciplina das tropas inimigas, tais como uma bomba sexual, indicam documentos secretos agora divulgados.<p

Uma das armas mais bizarras consistia no desenvolvimento de um afrodisíaco que tornasse os soldados inimigos sexualmente irresistíveis uns para os outros.
A intenção era provocar um comportamento homossexual generalizado entre as tropas, o que causaria um golpe «desagradável mas não letal» à moral dos soldados, refere a proposta.<p>

Outras propostas incluíam armas que atraíssem enxames de vespas enfurecidas ou ratazanas furiosas para posições militares, tornando-as inabitáveis.<p>

Um outro projecto consistia em desenvolver um químico que causasse uma «forte e duradoura halitose», tornando fácil identificar guerrilheiros que se tentassem esconder entre civis, enquanto um outro visava tornar a pele dos soldados insuportavelmente sensível à luz do sol.<p>

As propostas são de um laboratório da Força Aérea em Dayton, Ohio, e datam de 1994. O laboratório procurou obter fundos do Pentágono para financiar a pesquisa do que designou como «molestadores e aborrecidos químicos de identificação dos maus da fita».<p>

.<p>
(Diário Digital)

Comentários a esta notícia ? Para quê se eles fazem o que querem e ninguém lhes
levanta a voz. Quando se ouvem outros comentários sobre a possibilidade de certas
doenças terem sido provocadas intencionalmente que dizer? Contrariar ? O mais certo
é ser verdade e termos de sofrer a irresponsabilidade dos donos do mundo.

publicado por Lumife às 22:46

Janeiro 13 2005
huy.jpg



.



A sonda europeia Huygens descerá esta sexta- feira em Titã, a maior e mais misteriosa lua do planeta Saturno, após uma viagem de mais de sete anos.



A sonda entrará às 10:30 (hora de Lisboa) na atmosfera da «Lua Vermelha» para investigar a sua composição.



Se a missão, com a duração prevista de 152 minutos, for bem sucedida, a interpretação dos dados recolhidos permitirá dar um passo gigante na compreensão da estrutura de Titã, da formação e evolução do sistema saturniano e do sistema solar como um todo



A missão resulta de um projecto de cooperação entre as agências espaciais norte-americana (NASA) europeia (ESA) e italiana (ASI), orçado em 3,2 mil milhões de dólares (2,4 mil milhões de euros).



A descida da Huygens acontece 20 dias depois de se ter separado da nave norte-americana Cassini, com a qual partiu da Terra em Outubro de 1997.

publicado por Lumife às 18:54

Janeiro 10 2005
vid.bmp



.



O Monumento à Revolta de 18 de Janeiro de 1934 destina-se a imortalizar a revolução armada de 18 de Janeiro de 1934, feito pelos Vidreiros numa tentativa de acabar com as situações de perseguição, exploração, a falta de trabalho que por várias vezes os haviam atirado para a miséria e fome.


O monumento relembra o sofrimento, a fome e a miséria que o povo trabalhador e ordeiro teria passado.


É constituído por dois blocos. Um pedestal talhado com um operário vidreiro armado com a legenda "Homenagem ao Movimento Operário de 18 de Janeiro". Outro que tem esculpido operários a trabalhar o vidro. Trabalho feito por Joaquim Correia e inaugurado a 18 de Janeiro de 1989.
Situado na Rotunda do Vidreiro.

publicado por Lumife às 13:57

Janeiro 07 2005
reconstruir.jpg



.



"SOS Crianças da Ásia" da Unicef---
CGD - NIB: 003501270002824123054



Médicos do Mundo---
BPI - NIB: 001000009444999000170---
CGD - NIB: 003505510000772213032



Missão na Ásia da AMI---
BES - NIB: 0007001540000000672



Caritas---
CGD - NIB: 003506970063091793082



Apelo da Cruz Vermelha---
BPI - NIB: 001000001372227000970




publicado por Lumife às 12:07

Janeiro 07 2005
bf.bmp



.



Banco de Portugal reviu em baixa previsões para a economia em 2005


Bagão Félix admite crescimento abaixo dos 2,4 por cento




O ministro das Finanças admitiu hoje que a economia portuguesa poderá crescer este ano abaixo dos 2,4 por cento previstos pelo Governo, depois do Banco de Portugal ter revisto em baixa as suas estimativas para 2005.



Bagão Félix, que falava aos jornalistas após uma reunião com o primeiro-ministro e o governador do Banco de Portugal, disse que o crescimento do Produto Interno Bruto "poderá ser inferior aos 2,4 por cento" previstos na proposta de Orçamento para 2005.



O Banco de Portugal reviu hoje em baixa a previsão de crescimento do produto interno bruto (PIB) português este ano para 1,6 por cento e admitiu que o ritmo de crescimento possa mesmo ser inferior a este valor.



No Boletim Económico de Dezembro, hoje divulgado, o banco central, que em Junho de 2004 esperava um crescimento de 1,75 por cento para 2005, reviu em baixa o ritmo de expansão para este ano e admite uma probabilidade de 60 por cento de o valor final ser inferior aos 1,6 por cento agora estimados.



Confrontado com a disparidade de números, o ministro das Finanças afirmou que quando o Governo apresentou, em Outubro, o Orçamento de Estado para 2005, a sua previsão de crescimento “não andava longe da das organizações internacionais”.



Apesar do pessimismo dos números, Bagão Félix considera possível fazer a consolidação orçamental, reduzindo o défice para um nível inferior a 3 por cento do PIB em dois ou três anos.



Segundo os cálculos do governante, "uma redução de 1,5 por cento do lado da despesa e um aumento de 1,5 por cento em ganhos de eficiência fiscal" permitem contas públicas mais saudáveis em dois ou três anos.



Na reunião em que apresentou o boletim económico, Vítor Constâncio sustentou que "chegou a hora da verdade para a redução do défice orçamental". O economista acredita que é possível Portugal manter os seus compromissos internacionais, mas face à revisão em baixa do crescimento, o país será obrigado a novas medidas extraordinárias.



Numa primeira reacção aos números hoje divulgados, o secretário-geral do PS diz tratar-se de “uma péssima notícia para Portugal que o crescimento seja de 1,6 e não de 2,4 por cento”.



José Sócrates afirma que esta revisão em baixa "põe em causa todos os fundamentos" da política económica do Governo PSD/CDS-PP e coloca Portugal perante “o risco de uma estagnação económica.



O ministro diz que em Outubro a previsão de crescimento feita pelo Governo "não andava longe da das organizações internacionais"



.


(In Publico)


publicado por Lumife às 01:02

Janeiro 07 2005
MOTA AMARAL


Declarações de Carmo Seabra são «lamentáveis»


O Presidente da Assembleia da República considerou, esta quinta-feira, «lamentáveis» as declarações da ministra da Educação, que disse não ser «interessante» a sua presença no Parlamento para explicar os resultados da auditoria ao concurso de professores. PS, PCP e BE também não se pouparam em críticas.



Um dia depois da ministra da Educação ter dito que não ia ao Parlamento para dar explicações sobre os resultados da auditoria ao concurso de professores, Mota Amaral teceu fortes críticas a Maria do Carmo Seabra.



«Considero absolutamente lamentáveis as declarações da ministra da Educação e já transmiti esta minha posição ao Governo», afirmou Mota Amaral, na Assembleia da República.



Pegando nestas declarações, o líder parlamentar do PCP, Bernardino Soares, considerou que existiu «um equívoco» e desafiou o Governo a fazer-se representar pela ministra da Educação no debate, e não pelo ministro ou secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, como foi anunciado.



«Que fique absolutamente claro: o que foi pedido pelo PCP e aprovado na conferência de líderes foi a presença da ministra da Educação», sublinhou Bernardino Soares, posição corroborada pelo vice-presidente da bancada socialista, José Magalhães.



Segundo o deputado do PS, «em nenhum momento esteve em causa que o Governo pudesse estar representado por outra pessoa, que não a ministra da Educação».



Por seu lado, o deputado do Bloco de Esquerda, Francisco Louçã, disse que, com a ausência da ministra da Educação, «é toda a actividade de fiscalização do Governo pelo Parlamento que fica em causa».



Sarmento diz que presença da ministra era «dispensável»



Interpretação contrária acerca desta questão foi, naturalmente, manifestada pela bancada do PSD e pelo Governo.



Morais Sarmento, ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares, considerou «dispensável» a presença da ministra, sublinhando que «ao optar-se por divulgar publicamente o documento, os deputados não estão a ser desconsiderados».


publicado por Lumife às 00:53

Janeiro 06 2005
cart.bmp



.




Campanha: ex-primeiro-ministro recusa uso da sua foto



Cavaco Silva veta Santana Lopes






Cavaco Silva voltou ontem a dar um sinal de afastamento em relação a Santana Lopes ao ‘chumbar’ uma campanha de cartazes do PSD onde apareciam as fotografias dos cinco líderes do PSD que desempenharam o cargo de primeiro-ministro.








Depois de ter ignorado o desafio de Santana Lopes para se candidatar à Presidência da República nas próximas eleições presidenciais, feito no congresso dos sociais-democratas em Novembro passado, Cavaco recusou o pedido do PSD para utilizar a sua fotografia em ‘outdoors’ de pré-campanha eleitoral ao lado das fotografias de Sá Carneiro, Pinto Balsemão, Durão Barroso e Santana Lopes, todos os que do partido foram primeiros-ministros de Portugal.



O antigo chefe do Governo argumenta, em carta enviada ao secretário-geral do PSD, que, estando fora da vida política partidária, a utilização da sua fotografia em ‘outdoors’ iria interferir com a sua carreira académica. Cavaco Silva é professor na Universidade Católica.



Santana Lopes desvalorizou a atitude de Cavaco Silva, mas parece claro que a tomada de posição do antigo primeiro-ministro, referência política obrigatória na história dos sociais-democratas, apanhou o PSD de surpresa, tanto mais que, segundo uma fonte social-democrata, “apenas Cavaco Silva recusou” ajudar o partido numa altura em que se avizinha uma campanha eleitoral difícil. O primeiro-ministro demissionário já disse, a propósito desta recusa, que “nós, de algumas franquezas fazemos forças, por isso, apesar de tudo o que vai acontecendo, vamos continuar e chegar à meta, mesmo saltando muitos obstáculos”.



Um outro responsável do PSD deixou claro que, “apesar de não sermos obrigados a pedir autorização, porque se tratam de figuras que são património do partido, fizemo-lo. A família de Sá Carneiro, Durão Barroso, assim como Pinto Balsemão, autorizaram”. E, concluiu: “nós não apagamos a história do partido”. A recusa de Cavaco Silva obriga o PSD a suspender a colocação dos ‘outdoors’ e a proceder à sua alteração. Sendo material publicitário caro, aqueles cartazes gigantes poderão ter custado bem caro à direcção social-democrata. Por exemplo, 40 mil exemplares poderão custar cerca de 30 mil euros. Ontem à noite, o PSD aprovou as listas de candidatos a deputados nas próximas eleições.

.


(In Correio da Manhã)


publicado por Lumife às 00:52

Janeiro 06 2005
Esta campanha política para as Legislativas vai ser a pior de todas...





"Ex-dirigente do FC Porto acusa Santana de traição



Legislativas: Pôncio Monteiro afastado das listas do PSD




Pôncio Monteiro anunciou hoje que o PSD o retirou da lista de candidatos pelo Porto, de que era o "número dois", e acusou Santana Lopes de traição e de ter cedido às pressões do presidente da Câmara do Porto, Rui Rio.



O líder do PSD "diz que tem as costas cheias de cicatrizes de facadas mas não se coibiu me dar a mim uma facada nas costas", acusou o economista, numa declaração aos jornalistas, ao início da noite. "Santana Lopes ligou-me cinco vezes num dia a convidar-me para integrar a lista e nem um telefonema me fez para me informar que eu saía, depois de ter sido pressionado por Rui Rio", acrescentou.



Horas antes, o ex-dirigente do FC Porto tinha afirmado, também em declarações à imprensa, que o líder do PSD não o tinha "desconvidado", apesar de ter admitido que tinha sido convidado para integrar a lista pelo círculo de Vila Real.



Na altura, Pôncio Monteiro — que garantia estar a falar "enquanto segundo nome da lista do Porto" — admitiu a existência de pressões para o seu afastamento, mas remeteu para mais tarde novas declarações, afirmando que Santana Lopes lhe pedira para esperar mais algum tempo para contar "todos os contornos" da história.



Contudo, quando os jornalistas se encontravam já em sua casa para uma nova declaração, Pôncio Monteiro recebeu um telefonema de Miguel Relvas, secretário-geral do PSD, em que este o informava da sua exclusão das listas sociais-democratas, por decisão do Conselho Nacional.



"Santana Lopes a mim não me engana, empurrando agora a responsabilidade pela minha saída para o Conselho Nacional", afirmou, antes de acrescentar: "Todos sabiam que era Rui Rio quem estava por trás, sem dar a cara, a pressionar para a minha saída".



Para o advogado, considerado muito próximo do presidente do FC Porto, com quem Rui Rio tem mantido relações conflituosas, este processo demonstra que Santana Lopes "nunca mais terá possibilidade de liderar o partido ou um Governo". "Quem não tem força para dominar o partido, também não tem capacidade para liderar o Governo", sublinhou.



A polémica sobre a retirada do nome de Pôncio Monteiro surgiu depois deste ter afirmado ontem, em declarações à Antena 1, que não gostaria de fazer campanha ao lado de Rui Rio.



Contudo, Pôncio Monteiro diz não perceber as críticas de que é alvo. "Durão Barroso pediu-me em 2002 para ajudar na sua campanha, o que eu fiz com bom grado, mas já então recusei estar ao lado de Rio. Além de que Marques Mendes disse de Santana cinco mil vezes mais do que eu sobre Rio e é cabeça-de-lista por Aveiro", acrescentou."



.


(in Público)

publicado por Lumife às 00:21

mais sobre mim
Janeiro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
14

16
17
20
21
22

23
28
29

30
31


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO